Skip to content

Preocupação de Neymar é mudar o corte de cabelo, adverte Pelé

Pelé acha que Neymar deve se concentrar mais no futebol (© Eduardo Nicolau - AE)

Eduardo Nicolau – AE

Pelé acha que Neymar deve se concentrar mais no futebol

Quando o portão da casa se abriu, o rapaz baixinho que atendia pelo nome de Edson, pediu para que a reportagem do Estado esperasse num salão no fundo da residência, próximo à piscina, do lado de um campinho gramado de futebol. Um labrador preto de nome Sobra ergueu a cabeça indiferente aos visitantes. Pepito, homem de confiança de Pelé há 45 anos, não sabia o que fazer para deixar os jornalistas à vontade, um cavalheiro. Minutos depois, o Rei surge amparado por uma bengala e abre enorme sorriso. Caminhava lentamente. Seu primeiro gesto foi erguer a própria bengala e mostrar que já estava pronto para outra. Mais magro, com a perna direita mais fina que a esquerda porque perdera músculos, Pelé se põe a contar sua história.

A simplicidade com que relata os três meses de reclusão lembra a facilidade com que derrubava seus marcadores. Aos 72 anos, Pelé estava abatido, mas confiante. Sorria e se emocionava com suas próprias palavras. Falou de tudo, da sua longa recuperação, que ainda não acabou, da seleção brasileira de Mano Menezes e agora de Felipão, de Neymar que parece um jogador comum no time nacional e da Copa de 2014. Revelou também que o filho Joshua, de 16 anos, vai morar com ele no Brasil para jogar no Sub-16 do Santos. E foi falando…

Fez questão de apresentar a filha Flávia, que o acompanha na fisioterapia quatro vezes por semana e que sempre esteve ao seu lado desde a cirurgia no quadril. Ela desce a Serra do Mar para atender o pai em casa. ‘Sofro nas mãos dela. Se quero parar 1 minuto antes do combinado, ela não deixa’.

Pelé parece sem limites. Quer contar tudo. Pede a Edson, o ajudante da casa, para pegar ‘aquele troféu na geladeira’ e trazer um guardanapo de papel junto. Edson chega com um frasco daqueles de palmito contendo a parte do fêmur que Pelé arrancou do corpo, desgastado pelo futebol e pelos 1.281 gols feitos na carreira. Ninguém na mesa consegue abrir o vidro, até que o Rei dá umas batidas na tampa, com ritmo, e tira o osso do formol. Ninguém acredita. E Pelé começa a contar o processo cirúrgico. ‘A Flávia gravou a cirurgia, mas não gosto de ver. É horrível. Não gosto.’

Pelé estava tão disposto que fez questão de mostrar parte do seu trabalho de fisioterapia, antes de abrir a porta do museu particular onde guarda tudo o que ganhou no futebol. Sem cerimônia, baixa o agasalho e mostrar a cicatriz da operação. Os músculos estão sendo refeitos. Na sala de troféus, ele vai mostrando peça por peça de sua coleção, como a réplica da taça Jules Rimet e o lendário chapéu mexicano colocado em sua cabeça após a conquista da Copa do Mundo de 1970. É uma volta ao passado, ao passado em que Pelé reinava absoluto pelos gramados. Quando os jornalistas dão por encerrada a entrevista, Pelé faz questão de mostrar algo mais. Ele leva os repórteres para seu escritório, onde as paredes são forradas de imagens do jogador em ação. Uma delas, faz questão de detalhar, em que tenta o cabeceio quase meio corpo acima do marcador. ‘Subindo assim, era difícil não ter o quadril desgastado.’ Foram quase duas horas de entrevista com Pelé.

ESTADÃO – Quando você deixou o hospital de cadeira de rodas e chorou, ano passado, muita gente ficou preocupada com seu estado de saúde. A gente nunca tinha visto o Pelé daquela forma…

PELÉ – Eu cheguei arrasado naquela saída do hospital porque me emocionei. Antes, vi muitas pessoas de cadeiras de rodas e alguns mutilados até. Todos me deram força e aquilo mexeu comigo. Fiquei um mês e meio sem fazer praticamente nada no hospital. Fiquei deitado o tempo todo. Estou nessa faz três meses. Faço o trabalho de fisioterapia com a minha filha, a Flávia, que é fisioterapeuta em São Paulo. E graças a Deus eu já pulei etapas nesse processo de recuperação. Era para passar pelo andador que eu chamo de ‘quatro patas’, depois para as muletas e das muletas para a bengala. Fui direto para a bengala. Deus me deu uma boa recuperação. Me sinto bem. De vez em quanto, tomo uma Novalgina porque não posso ter impacto na perna.

ESTADÃO – É que você sumiu e todos ficaram preocupado com sua saúde.

PELÉ – Estou bem. Fiz algumas aparições também, teve a conversa com o Federer e o Blatter, com repercussão internacional. Estive no Santos, de bengala, mas estive. Teve ainda um comercial que fiz com o Neymar para o sócio-torcedor do Santos. Nós também íamos inaugurar no Maracanã um busto do Pelé, mas atrasou e quando ficar pronto vou sem bengala.

ESTADÃO – E o que você fez nesse tempo todo preso à cama?

PELÉ – Nesse tempo de recuperação vi muito futebol e parei para compor minhas músicas. Eu sou compositor. O futebol era só um bico (risos). Li livros e revi alguns documentos, contratos de novos parceiros, da empresa para a qual repassei a minha marca, a Legends10. Vou diminuir um pouco as viagens, o ritmo, mas depois retomo normalmente. Nesse tempo parado, ainda atendi ao Roger Federer (tenista) no hospital e ao presidente da Fifa, Joseph Blatter. No caso do Federer foi um contrato mesmo, era uma publicidade que tínhamos de fazer juntos. Também fiz umas 10 músicas e uma delas para ser tema da Copa do Mundo. Estou falando com o Edson, da dupla Edson e Hudson, para tentar gravar… Mas ainda não está pronta… só tem a base da letra.

ESTADÃO – Ficou com sua família também…

PELÉ – Por coincidência, o meu filho Joshua, que fez 16 anos e estava jogando em Orlando, nos Estados Unidos, onde mora com a mãe, a Assíria, pediu para voltar. O Joshua vem e vai estudar aqui. Vai também jogar no Sub-16 do Santos. Pena que a Celeste ficou. Eles são gêmeos, todos sabem. Mas disse a ela que vamos esperar o Joshua se acostumar de novo aqui no Brasil… e se der certo, a Celeste vem mais pra frente. A mãe falou que eu queria dilacerar a família (risos).

 

Pelé confia no trabalho de Felipão à frente da seleção (© Mowa Press)

Mowa Press

Pelé confia no trabalho de Felipão à frente da seleção

ESTADÃO – E viu muito futebol então…

PELÉ – Assisti a quase todos os jogos pela televisão. Fiquei preocupado com a seleção brasileira. Tivemos três anos com o Mano Menezes e não aproveitamos nada desses três anos. Para quem sabe que futebol é conjunto, não aproveitamos nada. Digo que não é só culpa do Mano. Mas nesses três anos, não tivemos nenhum projetinho de time. Felipão e Parreira já fizeram uma mudança quase radical na equipe. As experiências devem ser feitas com jogadores novos. Os experientes, como Ronaldinho, já sabemos como jogam e que vão jogar um tempo ou outro. Escolher Felipão e Parreira para o cargo foi bom. O Parreira é de confiança e o Felipe tem essa postura de ser sério. Isso é bom. Agora, vamos fazer um time.

ESTADÃO – Você confia nessa seleção?

PELÉ – Não acho que o Brasil tenha jogado mal contra a Inglaterra. O time não tem uma estrutura, um conjunto. Estamos jogando em cima dos nomes, das estrelas. O Neymar, por exemplo, toda vez que chega na seleção vira um jogador comum. Nós temos uma boa experiência que foi em 1970. O João Saldanha chegou para ser o técnico interino, quebra galho. Como estava difícil montar um time, ele pegou o Santos e o Botafogo e fez a base, depois ele pegou o Tostão, o Rivellino… Isso foi o grande sucesso do time. E se nós não temos os jogadores de qualidade daquela época, temos de ter uma equipe organizada. O Corinthians foi campeão sem ter uma grande estrela. Está certo que em 1970 tínhamos quatro ou cinco excelentes jogadores. Mas falaram que todos nós não poderíamos jogar juntos. O Saldanha fez essa loucura e acertou a equipe.

ESTADÃO – O torcedor deve pensar que o Brasil é favorito para a Copa?

PELÉ – O Brasil é favorito para a Copa sem dúvida. Sempre é. Mas não pode entrar nessa euforia. Achar que já ganhou, entende.

ESTADÃO – Você pretende ajudar a seleção de alguma forma?

PELÉ – Não pretendo ser da comissão técnica, um auxiliar ou um coordenador. Mas tudo que eu puder fazer para ajudar, eu farei, com todo prazer. Ajudo, mas sem assumir a responsabilidade da conquista, do título. Mesa-redonda, bate-papo, tudo isso eu faço com prazer. Nessas últimas vezes em que estive com o elenco, foi sem sentido porque não tinha uma base. Tinha jogador que só ia num jogo e nunca mais voltava. Para fazer uma palestra, tem de ter um time. Não adianta você fazer uma palestra para um grupo e chegar na Copa com outro.

 

Segundo Pelé, Neymar tem problema para jogar no exterior (© Reuters)

Reuters

Segundo Pelé, Neymar tem problema para jogar no exterior

ESTADÃO – Você disse que o Neymar é um jogador comum na seleção?

PELÉ – Não é isso o que esperamos do Neymar, principalmente nós do Santos. Temos uma confiança danada nele. Mas ele é um jogador comum na seleção. Tudo é visando o Neymar. Ele é um jogador sem experiência internacional. É um excelente jogador, mas sem experiência lá fora. Em todos os jogos fora do País ele não vai bem. Todos acham que ele tem de resolver os problemas da seleção. Neymar não está preparado para receber esse peso. Não vai dar para ele. Neymar não está preparado para isso. Ele não joga no exterior, o futebol europeu é diferente do futebol latino. Nós do Santos falamos que ele é o melhor do mundo, claro. Mas ele já se preocupa mais em aparecer na mídia do que em jogar para o time. O Neymar tem muita responsabilidade. E sua preocupação é mudar o estilo, mudar o corte de cabelo. O Edinho, meu filho, que está na comissão do Santos, faz os treinos do time. Ele não dá falta nos treinos e o Neymar fica bravo. Ele está viciado nas faltas.

ESTADÃO – Ocorre que ele também está mal no Santos…

PELÉ – O Santos está perdendo com ele em campo. E chato eu falar isso, mas cobrei o Muricy. É uma coisa boba, mas a gente que é do futebol percebe. Todas as faltas, escanteios, pênaltis é com o Neymar. Cada falta que ele bate, fica fora do jogo 1 minuto. Ele tem de ficar na cabeça da área para pegar a bola, dar um drible, usar a habilidade. Ele cruza, corre lá depois e perde tempo. Quem não está atento, não vê isso. Mas ele fica fora de jogo um monte de vezes. São detalhes que influenciam. Antes da cirurgia eu falei com o Muricy. Mas a responsabilidade do Muricy é grande. E é difícil bater de frente com o Neymar. O Neymar tem de largar mais a bola, jogar para o time.

ESTADÃO – Ele já tem idade para ir embora, jogar na Europa?

PELÉ – O problema não é a idade para ir embora. O problema é ter a condição de chegar lá fora e jogar. Principalmente para onde ele for. O jogo é mais duro na Inglaterra, Itália, Alemanha. Os juízes estão acostumados a deixar o jogo seguir. O Barcelona seria o ideal para ele. O Santos precisa dele e por isso acho que ele não deve sair, mas se sair deve ir para o Barcelona. Mas sair para quê? Teve um tal de Pelé que nunca saiu do Brasil, a não ser depois de se despedir. Teve um tal de Garrincha que só foi para a Europa veterano. O Tostão nunca saiu do País. O Zico só saiu veterano também. Outras gerações é que saíram com sucesso. Como o Kaká, o Falcão, o Oscar… e o próprio Careca, que arrebentou com o Maradona…. Depois teve ainda Ronaldo, Romário, Ronaldinho. Digo que o Romário, com a estatura dele, foi gênio. O Neymar tem sorte porque chega em um momento sem ter comparação com outros.

ESTADÃO – Mas o Neymar é craque no Brasil…

PELÉ – Não estamos falando da comparação de jogadores, mas no ano passado e no outro, os melhores jogadores do futebol brasileiro foram estrangeiros. Um ano foi o Conca e o outro o Montillo. Não é complicado isso: dois anos ter jogadores estrangeiros como os melhores do Brasil? Então, estamos nivelando por baixo. Isso é perigoso. O Neymar e o Zico são os mais habilidosos que apareceram nos últimos anos.

ESTADÃO – E como você está acompanhando as obras da Copa no Brasil?

PELÉ – A presidente Dilma me chamou para apagar a fogueira dos estádios, mas quem foi ganhar uma graninha foi o Ronaldo. A presidente me pediu para repensar e continuar no projeto da Copa do Mundo. Para a Copa das Confederações, Copa do Mundo e Olimpíada, serão praticamente oito anos de trabalho. Eu falei que vou repensar a minha função. Quero ver que tipo de trabalho farei. Ficar recepcionando delegações seria puxado demais para mim. Falei com o Platini e ele disse que era puxado. Depois da recuperação, vou me sentar com a presidente Dilma e rever que tipo de trabalho farei. Diplomacia, tudo bem… Mas ter a obrigação de receber delegações em aeroportos, não dá para fazer.

ESTADÃO – E o que você está achando das obras?

PELÉ – Embora saibamos que os estádios ficarão prontos, mesmo com algumas deficiências, e nós vimos o que aconteceu em Porto Alegre (no estádio do Grêmio, onde as grades caíram e algumas pessoas se machucaram), o que preocupa é a segurança e a infraestrutura dos aeroportos, de falta de voos e de comunicação, que não é boa. Mesmo em São Paulo, no estádio do Corinthians, vai ter problemas de acesso. Pelo que a gente está vendo, não vai dar tempo para terminar tudo o que foi pensado. Agora, no que diz respeito à disputa dos jogos, isso vai bem. O Brasil vai ter uma boa equipe também. Tem até essa preocupação porque em 1950 era o time favorito e acabou perdendo. A preocupação é que isso não se repita.

ESTADÃO – E quando você retoma a sua vida normal?

PELÉ – Eu queria retomar semana que vem. Mas a verdade é que devo voltar em três meses. Para bater um futevôlei ainda não dá. Mas esse prazo que me dão é tudo papo-furado, Na outra vez falaram que ficaria três meses fora e eu voltei depois de um mês. Tinha de ter o andador e a muleta, e já passei para a bengala. Daqui a pouco passo para o campo (risos). Já estou trabalhando na bicicleta aqui em casa, com a Flávia. Montei uma sala de fisioterapia aqui… Faço agora fisioterapia quatro vezes por semana. A Flavia vem de São Paulo. No terceiro mês de recuperação, serão três vezes por semana. Bicicleta para mim já é canja. Eu sofro na mão de minha filha, essa é a verdade.

A fusão dos corpos, sexo

Sexo - Foto: Karine Basilio

s mudanças que ocorrem no organismo durante a relação sexual.

 

CÉREBRO

É ele quem dá a largada, ordenando a produção de adrenalina, hormônio que faz aumentar a freqüência dos batimentos cardíacos. O cérebro também manda produzir dopamina, o neurotransmissor associado aos desejos de uma forma geral, como a vontade de comer, de beber e de fazer sexo. Com a excitação e o contato físico com o parceiro, os órgãos genitais devolvem ao cérebro novas mensagens de prazer, que estimulam ainda mais o sistema nervoso. Para impedir que a escalada de sensações cause uma pane nos neurônios, outra região do cérebro interrompe tudo com uma descarga de substâncias calmantes, as endorfinas. É quando acontece o orgasmo, clímax da relação sexual.

ÓRGÃOS GENITAIS

A pressão sangüínea no pênis chega a ficar 17 vezes maior do que a normal. Na mulher, o hormônio ocitocina se espalha pelo organismo, tornando várias áreas do corpo, como os seios e a boca, cada vez mais sensíveis à excitação sexual.

 

MÚSCULOS

A maior quantidade de sangue, que chega para assegurar o fornecimento de energia, também provoca a dilatação da musculatura. Após o orgasmo, costuma ocorrer sonolência. Durante uma relação sexual, são consumidas entre 420 e 660 calorias, o equivalente a três a quatro barras de 30 gramas de chocolate.

 

RESPIRAÇÃO

Para dar mais energia aos músculos, o pulmão precisa trabalhar mais e mais depressa. O número de inspirações sobe de 14 para 20 por minuto. Pouco a pouco, a respiração se torna mais profunda.

 

PELE

Com o maior bombeamento de sangue, a circulação periférica – nos vasos mais próximos da pele – se dilata, deixando a pele rosada e quente. O indíviduo transpira.

 

CORAÇÃO

Estimulado pela adrenalina, dobra o número de batimentos, a fim de suprir os músculos do corpo com mais energia, isto é, oxigênio.

Quem sabe é super

Depois da ejaculação, os espermatozóides se dirigem para o óvulo a uma velocidade de 11 centímetros por hora, o que equivale a um nadador percorrer 10 metros por segundo. A viagem até o local da fecundação leva 50 minutos.

Beijos inesquecíveis

Para o antropólogo inglês Desmond Morris, a origem do beijo erótico dos amantes pode estar em costumes muito primitivos. Na pré-história, as mães desmamavam os filhos mastigando a comida e passando-a diretamente para a boca do bebê. Essa prática desapareceu na sociedade moderna, mas a lembrança do intenso prazer no contato boca a boca pode ter se transmitido através das gerações. Tanto a língua quanto a boca são áreas de grande sensibilidade erótica. Por isso o beijo é tão importante. lgumas tribos africanas ainda mantêm o costume primitivo pelo qual a mãe passa a comida, já mastigada, para a boca do bebê. Esta pode ser a origem do beijo dos amantes Nos filmes de Hollywood (como …E o vento levou, com Clark Gable e Vivien Leigh), o beijo na boca é a expressão máxima da paixão

A dança dos 12 passos

Um ritual de intimidade crescente é o prelúdio da penetração sexual.

1. Olho – Corpo

Os parceiros se observam, atraídos pela visão de um corpo que consideram belo, desejável.

2. Olho – Olho

Os olhares se cruzam, sinalizando o interesse mútuo. Um sorriso, nessa fase, é a senha para o início de uma conversa.

3. Voz – Voz

As primeiras palavras são banais e um tanto forçadas. Depois, a conversa vai ficando mais íntima. O tom de voz e as expressões faciais dizem tanto quanto as palavras.

4. Mão – Mão

De um pretexto banal como ajudar a tirar um casaco, acontece o primeiro toque. A adrenalina é liberada e começa o processo da excitação.

5. Braço – Ombro

O gesto é consentido por ainda não demonstrar intenções sexuais explícitas. No cérebro, intensifica-se a produção dos neurotransmissores ligados a sensações de prazer, principalmente a dopamina.

 

6. Braço – Cintura

No primeiro gesto comprometedor, as mãos do homem se aproximam da região genital da mulher.

7. Boca – Boca

Os lábios se unem, indicando a vontade de prosseguir a relação. Começam a lubrificação da vagina, na mulher, e a ereção, no homem.

8. Mão – Rosto

Depois do beijo, as mãos acariciam o rosto, os cabelos, a nuca, o pescoço…

9. Mão – Corpo

As carícias se estendem ao corpo todo. Agora, a estimulação é tão grande que torna a cópula quase inevitável.

10. Boca – Seio

Os lábios percorrem o corpo do outro. A boca do homem nos seios da mulher tem um efeito especialmente excitante.

11. Mão – Genital

Nessa etapa, os órgãos genitais masculinos e femininos já estão prontos para a penetração.

12. Genital – Genital

O pênis penetra na vagina e se move, ritmicamente, até o orgasmo.

Agüenta, coração

O ritmo cardíaco se altera dramaticamente durante uma relação sexual, como mostra a tabela do livro Você – um estudo objetivo do comportamento humano, de Desmond Morris

Exercícios sexuais para deixar a cama mais quente

Exercícios sexuais

 

Ioga, pilates, dança do ventre, pompoarismo e até técnicas de fisioterapia podem garantir mais prazer no sexo

Para conseguir um tempo melhor na corrida, você calça os tênis e parte para o treino. Por que não usar, então, a mesma estratégia quando o assunto é sexo? Atualmente existem diversas técnicas que podem dar a você e a seu parceiro uma grande ajuda.

 

Fortalecer é preciso!

Agora é a vez de fortalecer um músculo bem importante: assoalho pélvico, ou músculos do períneo (região que vai da parte de baixo da vulva até o ânus e tem formato de losango). As funções: “Fornecer sustentação aos órgãos da cavidade pélvica (bexiga, útero e reto), evitando prolapsos, como a bexiga caída”, explica a fisioterapeuta Juliana Schulze Burti, do Setor de Disfunções Miccionais Femininas do Departamento de Urologia da Unifesp, que também tem formação em pilates. “E também promover o fechamento da uretra (para que não haja escape de xixi), do ânus (para evitar escape de fezes e gases) e da vagina (durante as relações sexuais).”

 

A composição desses músculos é a mesma de outros músculos do corpo, como o bíceps, mas a diferença é que eles não são usados o tempo todo em atividades cotidianas. Resultado: “Com o tempo e depois da gravidez, há perda do tônus muscular”, diz a fisioterapeuta e professora de danças étnicas Betty Gervitz, de São Paulo. Por isso, é importante não se esquecer deles e treiná-los também.

 

Além das outras funções fundamentais para sua saúde, sua vida sexual pode sair ganhando. “Quando você contrai os músculos do períneo, estimula toda a musculação da vagina e, no homem, realiza pressão no pênis, o que aumenta a possibilidade de prazer”, afirma Betty.

 

Saia do sedentarismo

Quem pratica qualquer outra atividade física, já deu um passo importante para manter e melhorar a qualidade de sua vida sexual: um estudo da Universidade da Califórnia em San Diego acompanhou 78 mulheres de meia-idade que praticavam 60 minutos de atividade física moderada, de três a quatro vezes por semana, e mostrou que a vida sexual delas melhorou. Segundo o relato delas, o sexo se tornou mais frequente, assim como os orgasmos, e a satisfação sexual maior.

 

Ioga, pilates e dança

Se você já encarou essas aulas, sabe que não são nada fáceis! E, apesar de não serem um treino específico para sua vida sexual, podem ajudar bastante. “Os músculos do assoalho pélvico são usados durante vários exercícios do pilates e posturas da ioga associados à respiração”, afirma Juliana. Isso significa que, além de melhorar a percepção corporal, aumentar sua resistência física e permitir que você adquira maior flexibilidade (requisitos básicos para um sexo de qualidade), essas atividades permitem que você tenha maior controle desses músculos. Nas danças, funciona de maneira parecida. “Para a aluna se posicionar para a dança, recomendo sempre que comece contraindo o períneo. Assim, cria-se uma força de base, que possibilita que o movimento seja feito com mais estrutura”, diz Betty. Automaticamente você treina os músculos.

 

Pompoarismo

A técnica, que tem origem na Índia e foi levada para a medicina pelo ginecologista Arnold Kegel na década de 1950, também trabalha o assoalho pélvico com exercícios de contração e acessórios para fortalecer a região. Treinar esses músculos ensina você a realizar contrações que podem ser muito bem usadas na cama: “As contrações vaginais na hora do sexo ajudam a mulher a sentir melhor o pênis e sua função de acionar por fricção o clitóris, proporcionam ao parceiro sensações deliciosas e tornam possível o tão sonhado orgasmo vaginal”, afirma a instrutora de pompoarismo Jussara Hadadd, do Rio de Janeiro.

 

Além dos benefícios musculares, a intimidade com seu corpo dá um up na autoestima. “A mulher aprende a viver sua sexualidade em plenitude, com a garantia de orgasmos de boa qualidade e da incontestável apreciação pelo parceiro.” Vale lembrar: procure profissionais com experiência e que tenham informações técnicas e não entre na neura de que só vai se dar bem na cama se dominar todas as técnicas.

 

· Vamos pompoar

a) Sentada em uma cadeira, contraia e relaxe com a maior força possível os músculos dos glúteos, do ânus, do períneo e do canal vaginal. Faça dez repetições de cinco contrações de 1 segundo, seguidas de um relaxamento.

 

b) Em pé, na frente do espelho, faça um movimento contínuo e circular com o corpo, como se usasse um bambolê. Divida o movimento em quatro tempos:

1) Mova a pélvis para a frente e contraia a vagina,

2) Gire o quadril para a esquerda, contraída,

3) Gire o quadril para trás, mantendo a contração,

4) Mova o quadril para a direita, ainda contraída. Ao retornar à frente, descontraia e relaxe a pélvis. Recomece para o outro lado. Faça cinco giros para cada lado alternadamente.

 

c) Deite no chão sobre um colchonete. Com a pélvis relaxada, eleve o quadril e o tronco, realizando uma ponte. Elevada, contraia o bumbum, o ânus e a vagina por 5 segundos. Desça e relaxe contando até cinco. Repita dez vezes.

 

Fonte: Jussara Hadadd, instrutora de pompoarismo, do Rio de Janeiro

 

objetos de pompoarismo

Brinquedinhos de pompoarismo

1. Desi Purple – lojadoprazer.com.br

Com efeito vibratório por causa dos pesinhos soltos no interior de cada bolinha. Aumenta o estímulo sexual.

2. Kit cone para pompoar – hotflowers.com.br

Tem cinco cilindros com pesos diferentes, que aumentam a difi culdade da contração muscular conforme o uso.

3. Duo Balls Soft Silicone – lojadoprazer.com.br

Feitas de silicone, com peso e haste para facilitar o manuseio. Têm saliências em formato de coração que dão estimulação extra.

 

Fisioterapia

Existe um tipo que tem como objetivo fortalecer o assoalho pélvico. Ele pode ser preventivo ou de reabilitação, é feito com orientação profissional e inclui exercícios de contração e descontração, eletroestimulação, cones vaginais (dispositivos colocados dentro da vagina que funcionam como sobrecarga e estímulo sensorial) e uma ténica chamada biofeedback (monitoramento da atividade elétrica das membranas). “Conforme a mulher progride, os exercícios podem variar em número de repetições, duração das contrações e postura”, explica Juliana Schulze Burti. Um estudo publicado no International Urogynecology Journal analisou um grupo de mulheres com disfunção urinária e concluiu que não só houve melhora no problema como na qualidade de sua vida sexual — no desejo, na performance e no orgasmo.

 

· Treino do prazer!

Os exercícios de fisioterapia para o assoalho pélvico são simples e podem ser feitos em casa, mas é sempre recomendado procurar um especialista para receber as melhores orientações

fisioterapia para assoalho pélvico

1. Deitada, de barriga para cima, com os joelhos flexionados, procure fechar e elevar o ânus (perceba que a região é “puxada para cima” em direção ao peito, e não empurrada para fora). Mantenha a contração por alguns segundos e relaxe, sem forçar para baixo. Quando se adaptar ao exercício, contraia também a vagina e a uretra. Aos poucos, aumente o tempo de sustentação até chegar aos 10 segundos. Repita algumas vezes.

 

2. Sentada, com a coluna alinhada, o abdômen firme e os ombros relaxados, ou em pé, com a postura ereta, o abdômen firme e sem contrair os glúteos, contraia vigorosamente os músculos, fechando ânus, vagina e uretra, e relaxe logo em seguida, sem manter a contração. Faça de dez a 20 repetições.

 

3. Em posição de gato, com a coluna alinhada, inspire alongando a coluna e arrebitando o bumbum (a). Ao expirar, contraia o assoalho pélvico e o abdômen, invertendo a curvatura da coluna e olhando para o umbigo (b). Faça uma série de cinco a dez repetições.

Renan Barão finaliza McDonald e se mantém como campeão dos galos

Não foi na “paraibagem”, como prometido no UFC São Paulo, mas na disputa de quem estabeleceria a marca mais expressiva do MMA atual, o brasileiro Renan Barão levou a melhor. Com 30 vitórias consecutivas na carreira – a maior sequência da atualidade – o potiguar impediu que o americano Michael McDonald – segundo colocado no ranking oficial do UFC – se tornasse o mais novo campeão do UFC no formato atual. Com uma atuação segura e muito estratégica, o campeão – que entrou para a luta com um protetor bucal fluorescente – finalizou o americano com um kata-gatame aos 3m57s do quarto round, mantendo o cinturão interino dos pesos-galos do UFC.

Renan Barão vence luta do UFC contra  Michael McDonald (Foto: Getty Images)Renan Barão aplica o kata-gatame para finalizar Michael McDonald no UFC em Londres (Foto: Getty Images)

– Estou me sentindo muito feliz, venho fazendo um trabalho muito duro. Fui para o Rio de Janeiro me preparar para essa luta, mas vou comemorar em Quintas. Um beijo a todos! Obrigado a todos por estarem aqui. Dominick Cruz, eu quero você! – disse Barão após a luta.

 

A luta

Renan Barão vence luta do UFC contra  Michael McDonald (Foto: Getty Images)Renan Barão comemora a vitória contra o americano
Michael McDonald em Londres (Foto: Getty Images)

O primeiro round começou com o brasileiro tentando um chute rodado e, pouco depois, levando McDonald para o chão, ficando na guarda do americano. Após alguns momentos de estudos, Barão buscou avançar, mas recebeu um golpe forte de direita e sentiu, dobrando as pernas. McDonald buscou aproximar-se para continuar a conectar golpes, mas o brasileiro inverteu o domínio do rival e ficou em posição de vantagem, acertando dois bons socos no desafiante. Após a luta voltar a ser disputada em pé, Barão conseguiu levar o rival para o chão, onde ficou até o fim do round.

No segundo round, instruído pelo treinador Dedé Pederneiras para levar a luta para o chão, Renan Barão tentou executar o planejado, mas o americano estava atento e evitava a todo momento a aproximação do brasileiro aplicando socos curtos e se movimentando muito. Com bons golpes na curta distância, Michael McDonald conseguiu parar as aproximações do brasileiro e se impôr na luta.

O terceiro round trouxe Renan Barão mais agressivo, conectando bons golpes e acuando o americano, que se movimentava tentando afastar-se do brasileiro. Com força e técnica, o campeão levou McDonald para o chão, mas o americano levantou-se rapidamente, mostrando agilidade. A 30 segundos do fim do round, um chute rodado tocou o rosto do americano, que pareceu ter sentido um pouco o impacto.

No quarto round o brasileiro voltou agressivo e mais preciso no acerto da distância. Mesmo com McDonald sendo ágil, os primeiros golpes entraram com força, mas o americano conseguiu contragolpear e acertar o rosto de Barão. A luta era muito estudada e equilibrada, mas já era possível ver um ferimento no rosto do desafiante. A dois minutos do fim do round, Barão conseguiu derrubar o americano após uma tentativa errada de queda do desafiante, pegando suas costas, e, logo em seguida, aplicar um kata-gatame. Após alguns instantes em que McDonald dizia estar com a situação sob controle, Barão ajustou o golpe e fez o americano bater, desistindo do combate.

Conheça Carly Baker, a primeira ring girl europeia do UFC Carly Baker

Conheça Carly Baker, a primeira ring girl europeia do UFC - 1 (© Divulgação UFC)

Conheça Carly Baker, a primeira ring girl europeia do UFC - 1 (© Divulgação UFC)Carly Baker estreia oficialmente como ring girl no UFC on FUEL TV 7, que acontece no próximo dia 16, em Londres. No evento, o brasileiro Renan Barão defende seu cinturão interino contra Michael McDonald. Confira mais fotos da nova musa do UFCConheça Carly Baker, a primeira ring girl europeia do UFC - 1 (© Divulgação UFC)

UFC divulga primeira listagem de rankings oficiais e confirma Anderson como melhor peso por peso

 

Índice glicêmico: faça a alimentação correta para se sair bem nos treinos

Os carboidratos são considerados as principais fontes alimentares responsáveis pela produção de energia. Entretanto, o estímulo a mais que o organismo precisa para se manter em atividade não depende apenas da quantidade que é ingerida. Também é importante descobrir a maneira como o corpo absorve essa substância. Para isso, é fundamental que o atleta amador conheça mais sobre o índice glicêmico (potencial que cada alimento contendo carboidratos tem em elevar a glicemia ou açúcar no sangue). Tudo para garantir uma dieta saudável e se sair ainda melhor nos treinamentos.

Corrida Eu Atleta, Rio de Janeiro (Foto: Nelson Veiga / Globoesporte.com)Corredores se alimentam antes da Corrida Eu Atleta: não pratique exercício em jejum (Foto: Nelson Veiga)

Alimentos que digerem rápido, como os sem fibras, viram rapidamente açúcar. Eles aumentam a insulina (hormônio que faz o transporte da glicose sanguínea para dentro da célula) no corpo e isso faz com que se depositem na forma de gordura. Quanto mais rápida for a conversão do carboidrato em glicose, maior será o seu índice glicêmico. Isso gera um estímulo para o cérebro, que responde com a fome. O resultado é que você come mais.

FUNÇÕES IMPORTANTES

O índice glicêmico varia de acordo com a forma de preparo e a combinação dos alimentos que são consumidos. Se a refeição possuir mais fibras, por exemplo, acarretará na diminuição deste índice.

 

Composição dos alimentos: o que são Carboidratos, Lipídeos e Proteínas

Um dieta de baixo índice glicêmico inclui alimentos como farinha de trigo integral, aveia, frutas, legumes, sojas e vegetais no lugar de açúcar refinado, arroz e farinhas brancas, refrigerantes, e batata. Isso leva a uma melhora nos níveis de colesterol e triglicerídios, diminuindo também a sensação de fome.

Segundo a nutricionista Cristiane Perroni, especialista do EU ATLETA, o segredo para manter as energias em dia está no equilíbrio entre os índices durante as refeições. Os alimentos ricos em gorduras boas (como azeite, castanha do Pará, nozes) fibras e proteínas interferem no índice glicêmico final dos alimentos. Daí a importância da combinação dos grupos alimentares, tornando mais lenta a digestão e também a absorção.

DICAS DA ESPECIALISTA

O corredor deve manter uma ingestão de carboidratos distribuída de acordo com a sua atividade física. Antes de treinar por até uma hora, por exemplo, o indicado é o consumo de alimentos de alto a moderado índice glicêmico. Comer uma banana é opção mais correta.

Se for para um treinamento mais longo ou passar mais tempo se exercitando na academia após uma corrida na esteira, procure consumir antes destas atividades os alimentos de moderado a baixo índice glicêmico. Também é importante combinar certos alimentos para serem absorvidos de forma mais lenta pelo corpo. Dessa forma, o corredor pode assegurar energia durante prolongado período de tempo.

– Neste caso, é indicado comer um pão integral com queijo magro e uma fruta ou iogurte com cereal e uma fruta. Vale ressaltar que a pessoa que vai praticar uma atividade física não deve fazê-la em jejum. Se a pessoa não se alimentar, o corpo utilizará as reservas de energia nos músculos. Com isso, a fadiga aparecerá rapidamente – explicou a especialista.

euatleta info índice glicêmico (Foto: Editoria de Arte / GLOBOESPORTE.COM)

Durante a atividade mais longa, a nutricionista explica que o indicado é o consumir os alimentos de moderado a alto índice glicêmico. Isso porque no momento do exercício os hormônios presentes na nossa corrente sanguínea inibem a ação da insulina, fazendo com que consigamos absorver a glicose dentro das células, estimulada pela atividade física, e que independe da ação da insulina.

Após o treinamento, porém, a especialista recomenda a ingestão de gel de carboidratos ou bebidas isotônicas (essa específica para atividades acima de uma hora ou 10 km). O objetivo de buscar alimentos com alto índice glicêmico é estimular a produção de insulina a repor os estoques de carboidratos no fígado e nos músculos (o glicogênio muscular e hepático). Isso vai propiciar a recuperação muscular para as próximas atividades.

RECOMENDAÇÕES

Sobre a alimentação diária, a nutricionista explica que cada pessoa deve fazer uma refeição a cada três ou quatro horas, evitando assim longos jejuns. Mas, não faça escolhas alimentares baseadas somente pelo índice glicêmico. Outros fatores devem ser considerados para garantir uma dieta balanceada e saudável. Confira:

euatleta info dicas nutrição (Foto: Editoria de Arte / GLOBOESPORTE.COM)

 

– A pessoa pode até usar o conceito do índice glicêmico para perder peso, mas não é uma dieta específica para isso. Dará condições de manter a saciedade e compor a refeição de uma forma mais equilibrada. A combinação dos alimentos faz com que a pessoa fique mais educada na dieta e evita que sinta mais fome nas horas erradas – encerrou Cristiane.

*Antes de qualquer mudança na sua alimentação, consulte um nutricionista.

Os alimentos estão divididos em três categorias de índice glicêmico: baixo (IG menor ou igual a 55); médio (IG de 56 a 69) e alto (IG maior ou igual a 70). Confira na tabela:

BAIXO ÍNDICE (ATÉ 55)  ÍNDICE MODERADO (56 A 69) ALTO ÍNDICE (70 OU MAIS)
 Maçã (52) Pêssego fresco (60) Bebidas isotônicas (78)
 Pêra (54) Suco de abacaxi (66) Gel de carboidratos (100)
 Damasco seco (44) Passas (64) Batata frita (107)
 Cenoura crua (16) Arroz parboilizado (68) Mel (104)
 Nozes (47) Pão de centeio light (68) Melancia (72)
 Soja (18) Lactose (66) Pão branco 1 fatia (73)
 Ameixa (55) Biscoito de água (69) Mingau de aveia (87)
 Cereja (32) Ervilhas verdes (68) Suco de laranja (74)
 Abobrinha (20) Feijões cozidos (69) Banana (83)
 Couve-flor (20) Pêssego enlatado (67) Kiwi (75)
 Tomate (20) Abacaxi (66) Beterraba (88)
 Leite integral (39) Suco de laranja (54) Manga (80)
 Grão de cevada (36) Uvas (66) Waffles (76)
 Espinafre (20) Suco de maçã (58) Batata cozida (121)
 Iogurte light (20) Laranja (63) Barra de cereais (94)
 Alface (20) Bolo de banana (67) Abóbora (75)
 Repolho (20) Macarrão (64) Corn flakes (83)
 Brócolis (20) All Bran (60) Milho (98)
 Arroz integral (50) Ravioli de carne (56) Farinha de trigo (99)

Referência: índice glicêmico em relação à glicose = 100.